ASMA

O que é asma?

Asma é uma doença crônica que afeta os brônquios, os tubos que carregam o ar para dentro e para fora dos pulmões.

Como acontece a asma?

Na asma as paredes internas dos brônquios são inflamadas, ou inchadas.

Esta inflamação faz com que os músculos que envolvem os brônquios se contraiam com maior facilidade. A inflamação e a maior facilidade da contração dos músculos tornam os brônquios muito sensíveis, e eles tendem a reagir fortemente a coisas as quais você é alérgico ou a substâncias irritantes. Quando os brônquios reagem, eles se tornam mais estreitos e o ar passa com maior dificuldade para dentro e para fora dos pulmões (figura). Isto causa sintoma como chiado, tosse, aperto no peito e dificuldade para respirar, especialmente à noite, ao acordar pela manhã e depois de exercícios.

 

O que causa asma?

Os pesquisadores ainda não sabem por que a asma acontece em algumas pessoas e em outras não. Se pessoas de sua família têm asma, a sua chance de ter asma é maior. A exposição no início da vida a fumaça de tabaco, infecções, e algumas substâncias alérgicas podem aumentar as chances de a criança desenvolver a asma.

Asma tem cura?

Asma não tem cura, mas a maioria das pessoas com asma pode controlar a doença de modo que os sintomas desaparecem ou se tornam infrequentes permitindo uma vida normal e ativa.

O que é uma crise de asma?

Crise ou ataque de asma ocorre quando os sintomas se tornam piores do que o usual. Em um ataque de asma grave, os brônquios podem fechar tanto que o oxigênio em quantidade suficiente pode faltar no organismo. Raramente isto pode ser fatal.

O que desencadeia a asma?

Diversas coisas podem desencadear sintomas de asma. Os mais comuns incluem substancias alérgicas (poeira, ácaros, mofo), mudanças de temperatura, exposição a irritantes, stress emocional, poluentes e infecções virais.

Como saber se você tem asma?

Os médicos descobrem se você tem asma perguntando se você tem história familiar de asma e alergias, explorando as coisas que parecem causar ou piorar seus sintomas, e solicitando um Teste de Função Pulmonar, que mede quanto de ar você pode soprar rapidamente para fora dos seus pulmões após fazer uma inspiração profunda. Testes alérgicos também podem ser solicitados, bem como um teste de exercício para ver se você tem asma depois do esforço. Outros exames podem ser necessários em casos especiais.

Como é feito o tratamento geral da asma?

Como a asma é uma doença crônica, é importante que seu médico explique detalhes a respeito da doença, seus sintomas e os tipos de tratamentos disponíveis. Para conseguir o controle da doença você deve: 1) evitar os fatores que desencadeiam os sintomas ou resultam em crises; 2) usar as medicações corretamente e 3) saber reconhecer quando a doença está fugindo de controle e o que fazer nestes momentos.

Como é feito o tratamento com medicamentos?

A asma é tratada com dois tipos de medicamentos: 1) os medicamentos para rápido alívio dos sintomas e 2) os medicamentos para controle em longo prazo que são usados para desinflamar os brônquios e prevenir os sintomas.

Os melhores broncodilatadores para rápido alívio dos sintomas são aqueles fornecidos por inalação, ou através de bombinhas (ideais) ou por aparelhos de inalação.

Estes medicamentos não “viciam” e não apresentam riscos para o coração em indivíduos sem doenças cardíacas. O uso abusivo destes medicamentos sem alívio da asma significa que seus brônquios estão bloqueados por inflamação e rolhas de catarro e você precisa de medicamentos para reduzir a inflamação dos brônquios.

Os medicamentos mais eficientes para controle em longo prazo são os corticosteróides inalados que reduzem a inflamação de seus pulmões. A maioria dos medicamentos para controle em longo prazo deve ser usada diariamente, mesmo que você não tenha sintomas, o que exige disciplina.

Outros medicamentos de controle em longo prazo incluem o uso de um broncodilatador de ação prolongada e inibidores de leucotrienos, substâncias liberadas nos brônquios de asmáticos.

A maior parte dos medicamentos para tratamento da asma é usada por inalação. As vantagens é que eles vão diretamente para os brônquios, onde devem atuar. Doses muito menor são necessárias e, além disso, no caso dos corticóides inalados não há absorção significativa de modo que os efeitos colaterais são evitados.
É importante que o médico explique com detalhes o uso dos dispositivos para inalação para o seu caso, desde que existem diversos tipos de dispositivos no mercado e o tratamento de cada asmático é individual.


Exercício cura a asma? O asmático deve nadar?

Exercício não cura a asma. Atividade física regular é tão importante para pessoas com asma como para o resto da população. Se o exercício resulta em sintomas de asma seu médico irá orientar o tratamento para prevenção destes episódios. Dentre os tipos de exercício a natação é o que menos produz asma, porém o cloro das piscinas pode piorar a rinite, que frequentemente acompanha a doença, ou mesmo piorar a asma. Com o tratamento apropriado, os asmáticos podem fazer o exercício de sua escolha.

Avanços

Nos últimos meses foi lançado no Brasil um novo medicamento para asma, um “tipo de vacina”. É indicado para quem?

Um anticorpo, desenvolvido por alta tecnologia, contra o anticorpo responsável pela resposta alérgica da asma, chamado IgE, é disponível em vários países (omalizumabe). O medicamento é dado por injeção subcutânea, uma a duas vezes por mês, sob observação médica. A imensa maioria dos portadores de asma pode ser controlada com o tratamento usual. Este novo medicamento não cura a asma e deve ser mantido indefinidamente para controle da doença. Devido ao custo elevado, é reservado para portadores de asma não controlada por nenhum outro tratamento (“asma de difícil controle”) orientado por especialista.

Polêmica

Nos últimos meses o FDA colocou um alerta nas bulas de medicamentos broncodilatadores de ação prolongada, usados por via inalatória para asma. Devo parar estes remédios?

Uma extensa revisão da literatura médica encontrou que o salmeterol e o formoterol, broncodilatadores de ação prolongada, dados por via inalatória (Serevent e Foradil no Brasil), aumentam 2 a 2,5 vezes o risco de crises e internações por asma. Há muito tempo, porém, as Sociedades Médicas envolvidas com asma não recomendam o uso isolado destes medicamentos no tratamento da asma; ao contrário, quando usados em associação com corticóides inalados (Alenia, Foraseq, Seretide, Symbicort e outros), permitem o controle da asma mesmo em portadores de asma grave, com abolição ou redução da freqüência das crises, sem nenhum risco.

Discuta com seu médico os benefícios e os riscos de qualquer medicação.

<< voltar